Teoria do homo designer


A evolução da tecnologia, da arte e dos valores humanos contribui constantemente para a evolução do designer. A profissão de Designer Gráfico nasceu, como todos os outros organismos vivos, de sucessivas e delicadas mutações.

 

No princípio, desenhar, ser “criativo” e comunicativo eram pré-requisitos para ingressar nesta área que, até então, ainda se confundia com Publicidade.

Vale lembrar que Toulouse-Lautrc e Matisse desenhavam cartazes e livros antes de saberem que estavam praticando o que hoje tem nome, formação especifica e um mercado em franca expansão.

Poderíamos fazer, a partir daí, uma escala curiosa da evolução do “homo designer”: primeiro, vieram artistas designer, como Lautrec, Matisse e tantos outros, focados na dimensão plástica da mensagem e na assinatura do autor; depois vieram os engenheiros designers, mais próximos das escalas Suíças ou Germânicas e dos “Manuais de Identidade Corporativa com grid construtivo de Marca”; em seguida, os arquitetos-designers, com seus “partidos de projeto” e uma inclinação para as questões do homem e seu meio; depois, publicitários-designers, mais próximo do marketing e da comunicação de massa; e por fim os designers-designers, saídos da escola de Design.

Porém graças à lógica darwinista, a evolução continua. Hoje, para responder à altura às questões complexas que determinam a construção de uma Identidade de Marca, seja para empresas, produtos ou serviços, não basta mais ser apenas designer. A incorporação de conhecimentos ligados às questões do negócio em si, como cultura de governança e a cultura corporativa, valores tangíveis e intangíveis, estratégias de negócios sistemas de comercialização e distribuição; bem como valores humanos: comportamento, atitude, tempo, sociologia, filosofia, afetos, desejos, tribos, modas, tendências, inovação, etc. Tudo é fundamental para dar consistência e relevância ao aparentemente simples ato de deixar sua marca.

E estas disciplinas não se ensinam, ainda, nas escolas de design, nem se aprendem rapidamente com alguns anos de prática profissional, ou adquirindo um computador mais potente.

Na verdade, o profissional designer, esta complexa estrutura de sensibilidade, observação, classificação, processamento e resposta, se forjam no tempo, através da sua curiosidade permanente e da ampliação de seu repertório intelectual e expressivo. Vemos hoje o nascimento dos designers-estrategistas, uma nova categoria de profissionais que pratica Branding, palavra que todo mundo sabe o que é e ninguém sabe exatamente o que é. Eu tenho cá minhas visões, que lapido diariamente, com curiosidade, paixão e outro nome.

E daqui a 10 anos, onde estaremos?

Quem sabe, já que o mundo é redondo assistindo ao (re) nascimento do designer renascentista, do humanista, daquele que domina a ciência e a arte, conhece a máquina e o homem e os harmoniza através da sua linguagem e da sua visão, recolocando o homem no centro do Universo. De uma nova forma. Num sempre novo Universo.

Texto publicado por  Nando rossetto

                Olá, você é novo por aqui? ASSINE O FEED DO DESIGNSAL e receba todas as novidades publicadas por aqui.

1 Comentário (+add yours?)

  1. nando rossetto
    Ago 16, 2010 @ 19:00:11

    Valeu pelo copyright!

    Responder

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Termos de uso

Queremos que todos usem livremente o conteúdo do Designsal. Por isso, todo o conteúdo aqui divulgado pode ser copiado, desde que: A autoria seja creditada como “Designsal” Haja um link clicável apontando para o original Não seja feito “hotlink” (linkar diretamente a imagem de nosso servidor) O material seja disponibilizado gratuitamente, sem fins comerciais ou sem obtenção de nenhum lucro. (Por falar nisso, me inspirei no Design Blog para escrever estes termos.) Obrigado! ...
PageRank
%d bloggers like this: