É hora de mudanças no gênero blog


Estava eu navegando pela blogosfera e me deparei com este texto e não poderia deixar de postar aqui no designsal 

Fique a vontade para ler e comentar sobre o assunto que eu tenho certeza vai ser de seu interesse

  Os blogs profissionais estão se tornando publicações e a ênfase na ordem cronológica-inversa não é o melhor para o usuário – ela esconde o bom conteúdo antigo, que pode ser melhor que o novo.

 

Eu estou começando a perceber um desgaste do gênero blog. Assim como os protestantes perceberam um desgaste na forma da igreja católica, penso que estamos começando a viver um tempo de mudanças drásticas nos blogs.

Talvez ao ponto deste próprio gênero não sobreviver: ou ainda, não ser lembrado por ter se transformado em outras coisas bem melhores, chamadas por outros nomes.

Para quem começou a blogar há muitos anos e pegou toda a as discussões dos blogcamps, a polêmica da ética problogger etc, parece realmente agora temos uma revolução em curso.

Blogs amadores e blogs profissionais

Blog, na minha época, era uma maneira muito fácil e amadora (no melhor sentido do termo) de publicar artigos. Vi a época dos blogs como diários adolescentes mas não participei.

De acordo com a Wikipédia, blog “é um site cuja estrutura permite a atualização rápida a partir de acréscimos dos chamados artigos, ou posts. Estes são, em geral, organizados de forma cronológica inversa, tendo como foco a temática proposta do blog”.

Nos últimos dez anos o amadurecimento do gênero trouxe uma série de novidades.

A primeira e mais radical foi a possibilidade do autor ganhar dinheiro com seu blog. Seja como autônomo utilizando redes de anúncios e programas de afiliados (ou ainda vendendo posts), seja através de contrato com um grande portal ou jornal ou ainda como prestador de serviços de conteúdo para empresas e sites de conteúdo.

Aí surgiu uma contradição clara: adequar seu conteúdo e ritmo de postagens para ganhar mais dinheiro, ou deixar de lado o potencial de renda gerada diretamente do blog e apostar na notoriedade que o conteúdo produzido pode trazer ao autor – e aproveitar a notoriedade para fazer contatos que podem gerar dinheiro. Eu fiquei neste último grupo, e funcionou.

Os blogs profissionais estão se tornando publicações.

A maioria dos bons blogs profissionais acabaram se tornando publicações, com múltiplos autores pagos, mídia kit, contratos com redes de anúncio ou portais e mudanças significativas no próprio design.

Antes característico pela simplicidade dos posts em ordem cronológica-inversa e uma barra lateral com categorias e links para outros blogs, o design agora é mais sofisticado e se assemelha muito — quando não são ainda mais elaborados — ao design de portais, revistas e jornais.

Surgiram empresas especializadas em aproveitar a audiência para gerar receita para essas publicações, como a boo-box por exemplo. Aliás, a própria boo-box é um bom exemplo do entendimento desta mudança, ao chamar na sua comunicação corporativa os blogueiros de publishers.

Este movimento, que ainda está em curso, aproxima os blogs profissionais cada vez mais dos sites especializados de notícias e análises, permanecendo (às vezes) como característica distintiva o autor aparecendo e falando na primeira pessoa, assinando sua opinião, no lugar da “formalidade distanciada” da linguagem jornalística.

Distinção bem questionável aliás… O jornal impresso Le Monde Diplomatique Brasil, por exemplo, caberia muito bem nesta classificação.

No entanto, eu acredito que no final das contas, o jornalista diz o que pensa, sem assinar, do mesmo modo que o bom blogueiro mantém um certo distanciamento ético do fato sobre o qual escreve, ainda que diga “eu acho isso” em vez de “o especialista fulano de tal diz isso”.

E os blogs “amadores” ou de especialistas não amadureceram muito.

Quase livros

São abundantes os exemplos de blogs que foram editados como livros. Uma vez que o autor tem conteúdo de qualidade e que tem algum valor mesmo um bom tempo depois de ter sido escrito, faz muito sentido reunir tudo (ou o melhor) e publicar.

Por um lado o conteúdo dos blogs “profissionais” se assemelha ao das publicações periódicas, em que o jornal de ontem só serve para forrar a gaiola do passarinho, ressaltando o valor da análise e da notícia das últimas novidades.

Já os blogs como o do Luli, da Raquel Recuero, do Juliano Spyer são tão interessantes em postagens de anos atrás como as últimas. Não é à toa que estes autores são também autores de livros importantes nas suas áreas.

Orkut, publicação web ou… livro?

O blog como rede social adolescente já foi, virou Orkut, Twitter, Facebook. Os problogs viraram sites de notícias e análises mais ou menos comuns. E os blogs de especialistas ficaram parados no tempo.

Se o conteúdo que um autor escreveu no seu site há anos atrás é tão interessante quanto o de hoje, me parece claro que a ênfase na ordem cronológica-inversa característica do blog não é o melhor para o usuário. Ela esconde o bom conteúdo antigo, que pode até ser bem melhor que o novo.

Por isso, um pouco encorajado pela reforma do Luli, um pouco pela minha falta de estímulo para atualizar o meu blog, quero contribuir com esta discussão e espero que isso gere também uma reforminha por lá, que deve trazer um novo ânimo ao movimento.

O livro, como o conhecemos, obviamente não é a resposta à evolução necessária do gênero blog para autores deste tipo… Aliás, ainda não encontrei um nome adequado, tanto “amador” quanto “especialista” me parece um pouco ridículo. Óbvio: o nome vem do gênero, e estamos falando de um gênero que está começando a ser inventado.

Entre as coisas mais interessantes que podem surgir neste novo gênero está o “Para entender a internet”, coordenado pelo Juliano Spyer… uma experiência colaborativa, de conteúdo que deve ser relevante por um bom tempo, e que está em constante atualização. 10 no conteúdo… Já a forma, um blog, chegou ao ponto de desgaste tão grande, que o Blogger entendeu o livro como spam e tirou o site do ar. Precisamos desenvolver outra forma.

Algumas perguntas

* Como engajar o leitor numa experiência de imersão como o livro é capaz de fazer, mantendo as características dinâmicas, fluidas, de atualização e diálogo constante da web?

* Como levar o leitor a conteúdos antigos de seu interesse, conectando um conteúdo ao outro de forma coerente, mas ultrapassando a linearidade (chata?) do livro e a fragmentação das coletâneas?

* Como facilitar conversações entre autores de “blogs” diferentes a respeito de assuntos e conteúdos que podem ter escrito em qualquer época e pode ser acompanhada pelo leitor, criando uma hiper-narrativa transversal entre os sites e autores?

* Como manter a característica de conversação de cada post, mantendo cada leitor que fez um comentário interessado e engajado, mesmo muito tempo depois de ter feito seu comentário?

* Aliás, será que o post deve continuar sendo o objeto central? Ou podem surgir outros objetos, como tags, temas, assuntos, em torno dos quais o diálogo aconteça?

autor: Gilberto Jr
fonte: [Webinsider]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Termos de uso

Queremos que todos usem livremente o conteúdo do Designsal. Por isso, todo o conteúdo aqui divulgado pode ser copiado, desde que: A autoria seja creditada como “Designsal” Haja um link clicável apontando para o original Não seja feito “hotlink” (linkar diretamente a imagem de nosso servidor) O material seja disponibilizado gratuitamente, sem fins comerciais ou sem obtenção de nenhum lucro. (Por falar nisso, me inspirei no Design Blog para escrever estes termos.) Obrigado! ...
PageRank
%d bloggers like this: