Um pouco de Design Thinking Pensando Como Designer


Uma das lições mais importantes que aprendi sobre como inovar foi a de pensar como um designer e usar o processo design thinking. Aprendi isso do David Kelley, fundador da IDEO – provavelmente a empresa mais bem-conceituada mundialmente no desenvolvimento de produtos e experiências inovadoras (como por exemplo, o mouse!)

Com design thinking o processo em si é importantíssimo, e acreditando nele, nos surpreenderemos com resultados criativos e inovadores. Manter o foco no usuário é o outro conceito central ao design thinking. De modo geral, o processo procura resolver um problema ou uma questão de modo criativo.

Após definir o problema ou o foco do projeto, vêm as seguintes etapas:

1. Buscar as Necessidade do Usuário (Need Finding): Nessa etapa tentamos identificar quais são as maiores dificuldades do usuário. Temos que botar a mão na massa e observar o usuário, desenvolvendo empatia por ele e por sua circunstância. Isso não se faz através de questionários, mas sim saindo para a
rua, observando usuários verdadeiramente e documentando suas vidas.

2. Desenvolver um Ponto de Vista: O propósito dessa etapa é sentar com o seu time e digerir os dados que encontraram nas observações prévias. Provavelmente terão encontrado diversas necessidades dos usuários e começarão a criar diversas hipóteses de como solucioná-las. O ideal é tentar identificar uma ou duas necessidades principais e encontrar uma solução geral de como atender a essas necessidades. Como tudo nesse processo, o seu ponto de vista pode e deve mudar ao decorrer do processo, então não precisa estar perfeito.

3. Gerar Ideias para Soluções: Nessa etapa o time se junta para criar ideias, geralmente através de um processo de brainstorm, ligadas ao ponto de vista que você desenvolveu. No final dessa etapa, tente escolher as soluções preferidas do grupo para começar a testá-las.

4. Testar Protótipos: Agora temos que criar as soluções – de um modo barato, rápido e imperfeito – e testá-las no mercado real. O objetivo é poder testar o maior número de protótipos no menor tempo possível, e catalogar o desempenho de cada um.

5. Iterar: Ao testar cada protótipo, é necessário avaliar o que funcionou e o que não funcionou. Assim, a próxima versão poderá ser um pouco melhor. Muitas vezes o resultado de um teste pode levar à decisão desistir de uma determinada solução, ou até de re-avaliar o ponto de vista e criar um novo se necessário.

Fonte:.ifd.com

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Termos de uso

Queremos que todos usem livremente o conteúdo do Designsal. Por isso, todo o conteúdo aqui divulgado pode ser copiado, desde que: A autoria seja creditada como “Designsal” Haja um link clicável apontando para o original Não seja feito “hotlink” (linkar diretamente a imagem de nosso servidor) O material seja disponibilizado gratuitamente, sem fins comerciais ou sem obtenção de nenhum lucro. (Por falar nisso, me inspirei no Design Blog para escrever estes termos.) Obrigado! ...
PageRank
%d bloggers like this: